sexta-feira, junho 06, 2008

O Zé faz falta...



Num blogue pouco de esquerda direita, o post de esquerda.

4 comentários:

joão amaro correia disse...

caro tiago. sou de direita, sim.
sou, antes que tudo, pela LIBERDADE. acho intolerável o que se está a passar.
segundo informações que recolhi na câmara - por portas travessas - este é o primeiro de muitos eventos deste género. é, repito, intolerável!
e acho inconcebível posições como a do daniel oliveira a ilibar a vereação com um "mas" ("mas" eles pagam a recuperação da praça), quando o que está em jogo é simbolicamente a liberdade.

abraço,
j

tms disse...

Caro João, ontem escrevi o post mas hoje, quando o reli, rectifiquei.
A tua abordagem, desculpa o insulto, é claramente de quem tem a leitura da cidade enquanto um espaço de socialização, não privatizável.
Ao contrário do Daniel, que admite a venda temporária dos espaços públicos - divergindo de Sá Fernandes quanto aos tempos, tu e eu discordamos ideologicamente do acto em si.
Tu não acreditas que se possam extrair nas mais-valias públicas, deste tipo de operações, quando se põe em causa o livre acesso à rua, como seria concebível para alguém de direita.
Por isso, e mais uma vez desculpa o insulto, resolvi rasurar-te a direita.
Um abraço

P.s. - E vai haver mais, que eu também sei... E já houve uma que... meu amigo, vai dar que falar.

tms disse...

... nesta última que vou tentar procurar no site da CML até há colegas nossos metidos ao barulho.
Duvido é que encontre alguma coisa!

joão amaro correia disse...

caro tiago,
eu percebo que possam haver preconceitos anti-direita. :)
mas há aqui qualquer coisa que transcende estas categorias: a liberdade, a inviolabilidade do espaço público, a supremacia da política sobre a economia e interesses provados.
até acredito, e acho possível, uma qualquer variante de mecenato, em que empresas privadas ajudem e contribuam para a reabilitação das cidades. não sou naive ao ponto de não pensar que o dinheiro não conta para nada.
mas façam, por exemplo, como no jardim zoológico, em que o macaco ou a piranha tem um patrocinador.
mas nunca, NUNCA, a deturpação do que é o último reduto da liberdade e da democracia. o espaço público aberto e democrático.

p.s. até poderesmo entrar em questiúnculas ideológicas. mas depois disto. depois deste crime, repito, CRIME, se resolver e alguém, o "zé", ser responsabilizado.

abraço,
j