domingo, outubro 29, 2006

"Quando a curiosidade bate à porta do 'atelier'"

Muito interessante a entrevista da Inês Lobo ao DN.

Para que serve a Ordem? - XI Congresso dos Arquitectos Portugueses

Com o aproximar do Congresso, a decorrer nos próximos dias 23-25 de Novembro, iniciarei neste blogue um conjunto de post/reflexões polémicas sobre o tema: Para que serve a Ordem?

Crónicas de um país de província

A Secção Regional Norte está a promover uma iniciativa intitulada "Procura Arquitecto?", que consiste na diponibilização no seu site de uma galeria de autores-arquitectos com a seguinte linha editorial:

"O PROCURA ARQUITECTO? é um directório sócio-profissional de arquitectos-projectistas da região norte de Portugal, promovido e gerido pela OA/SRN. Destina-se ao público, em geral, e ao promotor de intervenções arquitectónicas e urbanísticas, em particular, procurando facultar-lhes um instrumento de busca que facilite a identificação e selecção de arquitecto para determinada intervenção que porventura tenha em vista."

Aquilo que numa primeira fase até poderia ser considerado uma boa ideia, cai no ridículo quando colocamos algumas questões óbvias:
Pode uma empresa com sede no Norte inscrever-se? Não.
Pode um grupo de arquitectos co-autores inscrever-se? Não.
Pode um associado da Ordem dos Arquitectos inscrito na SRS inscrever-se? Não.
Pode um associado da Ordem dos Arquitectos inscrito na SRN e com residência em Lisboa inscrever-se? Sim.
Perceber a prática da arquitectura contemporânea é perceber que cada vez menos (e ainda bem!), existe aquela imagem poética do Arquitecto-criador, sentado ao estirador a fazer o "seu" projecto. Hoje, felizmente, a prática é mais colectiva e multidisciplinar, e tem muitos actores e autores. Não perceber isto é procurar institucionalizar um conservadorismo unipessoal que destrói a visão contemporânea que o cidadão deve ter da prática profissional do arquitecto.
Por outro lado, a limitação regional é tão ridícula quanto redutora e, inscrevê-la em editorial, é a prova da existência de várias Ordens dentro da Ordem.

domingo, outubro 22, 2006

Novos Links

Conforme poderão reparar fiz um esforço de actualização do Randomblog.
Novo cabeçalho (para dizer o mesmo), correcções na forma de colocar comentários para evitar o spam e muitos (e bons!) novos links na coluna da direita, alguns já referenciados e outros que fui descobrindo.
Destaco, em primeiro lugar, o blog da casa o-nome, e o 5 dias, conforme já havia feito.
São referenciados novos e velhos blogues de gentes do meu lado do muro que, pelo que se pode constatar, cada vez com mais peso na blogosfera nacional; Luta Social, a Peste, Assedio, Assim foi temperado o aço, Anónimo do Sec. XXI (Sérgio Ribeiro), Gora Euskal Herria askatuta, Air bush, Eu, o outro, vocês e todos, Hora absurda, João V. Aguiar, Lapas do Almonda, Drella no Couço, Bandeira Rubra.
Por outro lado procurei reparar de algumas ausências imperdoáveis como o blog do Paulo Querido, Hotel Lisboa, Bichos Carpinteiros, Avesso do avesso, Um blog sobre kleist, Corta-Fitas e o Escrita em dia (Carlos Narciso) - aliás com um excelente texto sobre a SIC e a diferença de classes.
Um blog sobre Lisboa, Lisboa Lisboa, que tanto precisa de ser discutida. O blog do Zé Fanha, já anteriormente referenciado.
Ainda há os que vou lendo por tudo e por nada; Solvstag, Metroplinetida, .G, a Ervilha, Deste Lado, Monastero Segreto e o Cromos dos Cromos.
Para último, deixo os velhos amigos do Braganza mothers.

O estória dos governantes que odeiam as pessoas que vivem no país que governam

"O secretário de Estado Adjunto da Indústria e da Inovação, António Castro Guerra, afirmou hoje que a culpa do aumento de 15,7 por cento no preço da electricidade em 2007 é dos consumidores, porque "este défice tem de ser pago por quem o gerou".
Até este ano, a lei impedia uma actualização dos preços acima da inflação, o que deu origem a um défice tarifário que, na opinião de Castro Guerra, "só pode ser imputado aos consumidores"."São os consumidores que devem este dinheiro. Não é mais ninguém", declarou o governante à rádio TSF. "Este défice tem de ser pago por quem o gerou", disse ainda Castro Guerra.De acordo com as contas do secretário de Estado Adjunto da Indústria e da Inovação, o défice vai ser recuperado num prazo de três a cinco anos.Apesar de ter admitido que o aumento do preço é elevado, Castro Guerra afirmou que "os custos são os custos".Questionado sobre o facto de o aumento para as empresas ser menor, o responsável referiu que "isso tem um fundamento". "As empresas estão a competir no mercado e nós não podemos por razões de energia reduzir a competitividade das empresas e mesmo assim já é um aumento substancial", explicou.António Castro Guerra lembrou que os aumentos são da exclusiva competência da Entidade Reguladora do Sector Energético, mas admitiu que "no futuro o Governo pode criar mecanismos que evitem aumentos tão elevados".Sobre o mesmo assunto, o ministro da Economia, Manuel Pinho, afirmou ao "Diário de Notícias" que "o Governo está a analisar a situação"."

Revisão do RGEU


O governo, por despacho, entregou a condução do processo de revisão do RGEU ao IMOPPI (que também ficou com a revisão do DL 73/73). O Governo delega as suas competências de legislador ao Instituto dos Mercados de Obras Públicas e Particulares e do Imobiliário para rever uma lei de 1951 que é da maior importância para a construção do território em Portugal.
Embora o documento ainda seja reservado já pode ser lido e copiado a partir do site da Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção.
Formato em PDF.
(Reservo a minha posição sobre este documento para daqui a uma semana)

Direito à arquitectura ou o lobby do betão

No dia 18 de Maio deste ano a Assembleia da República aprovou por unanimidade a primeira Iniciativa Legislativa de Cidadãos, que visava legislar sobre uma matéria que desde 2003 a Assembleia da República havia aprovado, também por unanimidade.
A Iniciativa Legislativa baixou à discussão na especialidade.
Desde então, passaram cinco meses e uma matéria que aparentemente parecia colher uma unanimidade amedrontada foi para a gaveta (quem sabe se a mesma onde guardaram o socialismo)... em breve dirão que a Ordem dos Engenheiros entrou em processo eleitoral e mais tarde dirão que a Ordem dos Arquitectos entrará em processo eleitoral...

Governo "corajoso" ou governo mentiroso

Em todas as áreas, quando o governo é contestado, imediatamente surgem declarações de um ou outro ministro no sentido de denegrir quem contesta e/ou afirmando que é mais um lobby que o governo está a enfrentar.
Curioso é ver que o governo "corajoso" enfrenta os professores esquecendo as máfias que dominam o ensino privado, enfrenta os funcionários públicos esquecendo os administradores das empresas de estado ou o aparelho do PS, enfrenta os arquitectos esquecendo os construtores ou enfrenta os médicos esquecendo as multinacionais farmacêuticas...

quinta-feira, outubro 19, 2006

"Como construir a sua moradia sem ter que aturar um arquitecto"

de Rui Campos Matos (escrito para o Diário de Notícias da Madeira, secção Arquitectura e Território)
Texto retirado do blog Sobrevoando

Quantas pessoas, quando chega o momento de construir a moradia com que sempre sonharam, não passam pela aflição de perguntar a si próprias: será que vou ter de aturar um arquitecto?Neste pequeno artigo, tentarei explicar como construir uma nova casa, sem se sujeitar às exigências de um desses profissionais. Para que o empreendimento seja levado a cabo com êxito há que fazer três importantes escolhas: estilo, técnico e empreiteiro.
O estiloEis-nos perante a primeira decisão a tomar - o estilo da casa. Felizmente não é difícil porque existem apenas dois: o tradicional (também conhecido por rústico) e o moderno, que vem colhendo cada vez mais adeptos entre os jovens.O tradicional caracteriza-se pelo típico telhado de aba e canudo, a janela de alumínio aos quadradinhos, a lareira de cantaria com a sua chaminé e o imprescindível barbecu, testemunho dos inumeráveis prazeres da vida rústica. Já o moderno é completamente diferente, tão diferente que até as coisas mudam de nome. O telhado desaparece, dando lugar à cobertura plana; a janela perde os quadradinhos e passa a chamar-se vão; à chaminé, em tubo de aço inoxidavel, chama-se fuga; e barbecu é um termo obsceno que deve ser evitado na presença das senhoras.Não existem, pois, quaisquer espécie de dúvidas quanto a questões de estilo - ou se é tradicional ou se é moderno, as duas coisas ao mesmo tempo é impossível.
O técnicoEscolhido o estilo, há que escolher o alfaiate, que aqui designaremos pelo técnico. Trata-se de uma escolha muito fácil, porque o que não falta são técnicos. Intitulem-se eles construtores civis diplomados, agentes técnicos de engenharia, electricistas habilitados ou desenhadores habilidosos, todos se regem pela mesma cartilha, a de João de Deus: o pinto pia, a pipa pinga... Não passaram cinco anos a estudar arquitectura? Não estagiaram mais dois? Que importa isso? Concentremo-nos apenas nas suas virtudes:1- Projecto elaborado em tempo recorde.2- Preço: 999 .Mas como conseguem eles ser tão eficazes? É simples: antes de encomendado, o projecto já está feito. Até parece milagre! Mas não é, o que se passa é o seguinte: o técnico tem duas pastas no computador, uma para projectos em estilo tradicional, outra para os modernos. Escolhido o estilo pelo cliente, é fácil, emenda daqui, remenda de acolá e, numa tarde, o projecto está feito! Para quê complicar?Mas o rapaz parecia semi-analfabeto, disse que não podia assinar o projecto, mas que havia outro técnico que podia.... Não é caso para preocupações, trata-se de uma situação corrente em que um técnico analfabeto paga a um técnico habilitado para que este, a troco de uns trocos, assine de cruz. Está tudo incluído no pacote e, (ironia do destino!), quantas vezes o técnico habilitado não é um arquitecto daqueles que faltaram às aulas de religião e moral...Aprovado o projecto, o técnico já não é preciso para nada. É dizer-lhe adeus que ele até agradece, porque de obra não percebe nada nem quer perceber, quem percebe disso é o empreiteiro a nossa terceira e última escolha.
O empreiteiroO primeiro encontro entre cliente e empreiteiro costuma ser decisivo. É nele que terá de se estabelecer, entre o primeiro e o segundo, uma relação de confiança cega, em tudo semelhante à fé. A fé de quem acredita que, com um projecto feito por um técnico, que não especifica nada, que não pormenoriza nada e que não quantifica nada, não vai ser enganado por um homem que passa o dia a fazer contas de cabeça... Entre cinco pequenos empreiteiros, como escolher o indicado para construir a moradia? Infelizmente, chegados a este ponto, não posso recomendar senão fé, muita fé e confiança, porque tudo o resto é irrelevante:1- O valor do orçamento é irrelevante, foi feito com base no projecto do tal técnico, é um número atirado para o ar, um número que, com os imprevistos, há-de subir ainda umas quantas vezes.2- O prazo estabelecido para concluir a obra vai depender do bom ou mau tempo e, nesse capítulo, só Deus sabe.3- As garantias dadas são as que estão na lei - cinco anos. Se a casa apresentar defeitos, reclame; se a reclamação não for atendida, recorra ao tribunal (também pode recorrer ao pai natal se achar que demora menos tempo...)Em suma, não vale a pena perder tempo com ninharias, o mais importante é ter fé.
ConclusãoSe, apesar de conscienciosamente feitas estas três escolhas, as coisas não correrem lá muito bem, se a casa ficar pelo dobro do preço, se no Verão se assar lá dentro e no Inverno se tiritar de frio, se para abrir a porta do armário for preciso arrastar a mesa de cabeceira, se o vizinho protestar com o barbecu, se a cobertura plana meter água, não vale a pena desesperar, resta sempre a consolação de não ter tido de aturar um arquitecto.

Rui Campos Matos, arquitecto

quarta-feira, outubro 18, 2006

Pergunta irónica:

Em que momento é que um militante ou congressista do PS pode solicitar a alteração de um ponto da moção do seu líder?

domingo, outubro 15, 2006

Ainda "Os Grandes Portugueses"

"A grande campanha de marketing em que este novo programa da RTP apostou está a dar os seus frutos. Já muito se fala em quem será o Grande Português, ou seja a figura que mais notoriedade conquistou junto de todos nós.
Ora cá está uma oportunidade de ouro para os neofascistas, extrema-direita, ex-pides e outras cabecinhas ocas, voltarem a vangloriar o seu paizinho, o ditador fascista que por cá reinou durante 40 anos.
Por muito que Álvaro Cunhal sempre tenha colocado o seu nome no mesmo patamar que os restantes militantes do partido, o seu papel de líder da classe trabalhadora, a sua luta por um Portugal mais justo e igual, fazem dele o homem de Esquerda, que tem obrigatoriamente de constar nos 10 Maiores Portugueses.
Contra o revivalismo neofascista VOTO (de novo) em Álvaro Cunhal!
http://www.rtp.pt/wportal/sites/tv/grandesportugueses/votacao.php"


via Falta Papel

A América Latina

A América Latina está a mudar. A influência e dominação dos Estados Unidos da América tem vindo a diminuir de forma radical e metódica, de país para país.
Este fim de semana será o Equador, após uma década de presidências de centro ou de direita. Rafael Correa, definido pelo DN como o candidato anti-sistema, prepara-se para vencer as eleições, ainda que deva ser necessária uma segunda volta.
Do lado americano surgem dois candidatos assim descritos pelo DN: "Magnata do império da banana, que herdou do pai, Alvaro Noboa concorre pela terceira vez às eleições presidenciais. Apelidado de "filho divino", era frequentemente visto com uma Bíblia na mão, o que lhe valeu algumas críticas por parte da hierarquia da Igreja Católica local. Pró-americano e liberal é, juntamente com a única candidata, Cin-thya Viteri, conhecida por "Barbie equatoriana", o oposto de Correa."

Por outro lado, amanhã, a Venezuela prepara-se para entrar para o Conselho de Segurança da ONU. Ler artigo no blog Notas Verbais.
No Chile, a presidente Michelle Bachelet, visitou ontem o centro de detenção prisional da ditadura de Pinochet - Villa Grimaldi. Segundo Bachelet, "será a primeira vez que um presidente do Chile visita um lugar onde esteve preso" e manifestou sua intenção de converter o Villa Grimaldi, localizado em Peñalolén, num lugar "para recordar e vencer o esquecimento". "Caminharei por onde antes caminhei, por onde minha mãe caminhou, e sei que as perguntas de sempre agora serão mais que um sussurro", disse Bachelet.

Farmácias de Serviço


Porque é que as farmácias que não estão de serviço naquela noite têm o painel lumínico ligado?
Deve ser só para baralhar o pai atarantado...

sábado, outubro 14, 2006

Os Grandes Portugueses



via Irmão Lúcia

Há sempre um "mas"!?

Num programa da RTP que nunca vi, anuncia-se a escolha daquele que os espectadores entenderão ser o "Grande Português". Depois da polémica blogueira sobre a inclusão ou não de Salazar a RTP lá cedeu à direita pretendendo na descrição do ditador, como diria Carvalhas, piscar o olho à esquerda.

"Dirigiu, de forma ditatorial, os destinos do País durante quatro décadas. Foi ministro das Finanças, Presidente do Conselho de Ministros, fundador e chefe do partido da União Nacional. Afastou todos os que tentaram destituí-lo do cargo. Instituiu, de forma brutal, a censura e a polícia política. Criou dois movimentos paramilitares: a Legião e a Mocidade Portuguesas. Mas equilibrou as finanças públicas, criou as condições para o desenvolvimento económico, mesmo que controlado, e conseguiu que Portugal não fosse envolvido na Segunda Guerra Mundial. Separou os poderes do Estado e da Igreja. Figura controversa, marcou sem dúvida a história do País."

Na curta descrição as frase despontam como pérolas surrealistas contudo, destaco esta: "Mas equilibrou as finanças públicas, criou as condições para o desenvolvimento económico, mesmo que controlado (...)"

A ler:

"Behind the Great Wall of China"
Como as empresas americanas Wal-Mart, Google, UPS, Microsoft, Nike, AT&T e Intel estão a combater a recente legislação chinesa que procura definir direitos mínimos para os seus trabalhadores.

"A crise acabou!"

O Ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, anunciou ontem de manhã o «fim da crise» na economia portuguesa. O mesmo Manuel Pinho, à noite, "esclareceu à TSF que a intenção não foi anunciar o fim da crise, mas acabar com a dramatização com que se encara a economia portuguesa".
Para além do fait diver de se dizer uma coisa de manhã e outra à noite, é importante analisar o momento em que Manuel Pinho parece ser mais genuíno, ou seja, de manhã.
Numa primeira fase procuremos entender que país é esse em que este ministro vive? Fui consultar a sua agenda.
Não existindo nenhuma actualização da agenda do Sr. Ministro no site do Ministério, apenas encontrei referências à sua agenda no portal do governo.
Dia 10 com a Repsol, dia 12 em Oliveira de Azeméis com a Microsoft e dia 13 na Universidade de Aveiro "O Ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, preside à assinatura de um contrato de investimento no sector das energias renováveis".
Pessoalmente, para o Sr. Ministro, tudo corre bem. É tratado como um Ministro, pode circular a mais de 210 kms/hora nas auto-estradas do país sem que seja multado, é requerida a sua presença em todas as luxuriantes acções do grande capital. A vida corre-lhe bem.
O Sr. Ministro não vê a miséria, não vê a fome, não vê as dificuldades que a grande maioria dos portugueses atravessa porque circula num meio cada vez mais forte e poderoso, com cada vez mais capital e com cada vez mais poder.
A exclamação do Manuel Pinho que intitula este post é certa e genuína para o círculo de influências em que o Sr. Ministro se move. O seu país é o mesmo que o dos outros milhões de portugueses, contudo o seu circuito de conhecimentos é ultra-reservado.
À margem da sua sinceridade momentânea, o Ministro criou um problema: embora a crise não/nunca atinja o grande capital, importa que pareça que a mesma seja generalizada.
Nesse sentido Manuel Pinho tem uma pasta ministerial de dois gumes, por um lado deve ter um discurso sobre a crise económica e as necessárias restrições que o povo português deve enfrentar para deste modo não reforçar as diferenciações sociais que historicamente sempre derivaram em violentas lutas de classe, pelo outro lado, não faz sentido fazer o discurso da crise na assinatura de acordos milionários ou junto da Microsoft e Repsol.
Manuel Pinho tem o discurso errado para os locais por onde anda.

domingo, outubro 08, 2006

Post de medida certa

Há uma medida certa para postar. Nem muito grande porque perde leitores, nem muito curto porque perde relevância, o post tem uma medida certa. Duas três frases, de uma ideia só, sem ser muito recto ou objectivo nem circular e rotundo. Talvez um pouco mais...

As dores que não param o Mundo

" (...) O que eu invejo, doutor, é quando o jogador cai no chão e se enrola e rebola a exibir bem alto as suas queixas. A dor dele faz parar o mundo. Um mundo cheio de dores verdadeiras pára perante a dor falsa de um futebolista. As minhas mágoas que são tantas e tão verdadeiras e nenhum árbitro manda parar a vida para me atender, reboladinho que estou por dentro, rasteirado que fui pelos outros. Se a vida fosse um relvado, quantos penalties eu já tinha marcado contra o destino? (...)

Mia Couto, in O fio das missangas, Editorial Caminho, Lisboa, 2004, 148 pgs., ISBN: 972-21-1611-8
fonte Resistir.info

Manifestação dos professores


Imagem do Spectrum
Há bem pouco tempo "fontes próximas do governo" e cronistas encartados, faziam passar a ideia que os professores apenas faziam greves nos dias de ponte ou próximo do fim-de-semana. Só para chatear, no dia 5 de Outubro feriado e em plena época de ponte, 15 a 20 mil professores manifestaram-se em Lisboa.

Politkovskaia


Anna Politkovskaia, jornalista russa, ficou conhecida nos países ocidentais pela cobertura que fez da guerra na Tchetchénia. Foi morta a tiro no prédio que habitava em Moscovo.
Mais uma represália da máfia de Putin que domina a Rússia.
Terrorismo de estado? Nahh... afinal nenhum jornal o refere como tal...

Público

Na mesma semana que o "Público" volta a estar online praticamente na íntegra, é anunciada a "reinvenção do jornal e o seu relançamento no início de 2007"... em suma despedimentos.

domingo, outubro 01, 2006

Blogs

Há-os políticos, mais pops e mediáticos... os de futebol... os blogues de criadores: poetas, artistas e escritores... ou os blogues de pessoas que relatam o seu dia-a-dia...
Estes últimos não seguem necessariamente na senda de uma qualquer Rebelo Pinto, mas revelam pessoas e afinidades.
A sua leitura não provoca um instinto de voyerismo, mas sim uma proximidade de vida com aquele "alguém" que se apresenta (e se revela) do outro lado.
O-nome, blog da casa, anda por essas margens. Neste fim de semana, também eu andei por esses reinos e sobretudo por esses apetitosos textos que me aproximam de outros pais recentes. Assim, e enquanto a nova ervilha da Rosa Pomar não nasce, aqui ficam duas sugestões: A ervilha (que ameaça um ponto final) e o Deste Lado do Espelho.

pobreZita

De acordo com o "Expresso" de ontem Zita Seabra, com o apoio de Paulo Portas e Marcelo Rebelo de Sousa, preparava-se para apresentar na Assembleia da República um projecto-lei que, mantendo a criminalização do aborto, asseguraria que todos os processos fossem arquivados. Para além do "no sense" da ideia a Sra. Deputada, avolumando o ridículo da "estorieta", ao final da noite anuncia ter desistido da ideia por causa da notícia do tablóide.

Provedor da Arquitectura

Vital Moreira, no Causa Nossa, saúda a iniciativa da Ordem dos Arquitectos ao criar a figura do Provedor da Arquitectura (link).
Contudo, chamo a atenção para o facto do novo provedor, ao contrário do que Vital Moreira refere, não ter "poder de iniciativa disciplinar" mas sim "poder de iniciativa de participação disciplinar", como refere Helena Roseta na notícia citada.
Esta diferença, não é formal mas de grande monta.
Na Ordem dos Arquitectos, os orgãos que exercem as funções disciplinares são os Conselhos de Disciplina (Nacional e/ou Regionais), que são democraticamente eleitos por sufrágio universal entre os associados. Por outro lado, o Provedor é nomeado no início do mandato, pelo Conselho Directivo Nacional.