sexta-feira, março 10, 2006

Os suspeitos do costume:

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou o comissariado para revitalizar a Baixa-Chiado. A proposta, assinada pela vereadora Maria José Nogueira Pinto ( CDS-PP), foi aprovada pela maioria, tendo apenas um voto contra, de José Sá Fernandes do BE e duas abstenções, do PCP.O comissariado terá seis meses para apresentar um plano estratégico que enquadre a operação de revitalização. Maria José Nogueira Pinto admitiu, que o modelo de gestão a adoptar poderá incluir a fusão das entidades que actualmente gerem aquela zona histórica da cidade, nomeadamente a Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Pombalina, a Agência de Promoção da Baixa-Chiado, a Unidade de Projecto da Baixa-Chiado e o Fundo Remanescente do Chiado.Relativamente ao seu voto contra, José Sá Fernandes referiu que, no seu entender as propostas aprovadas provam que a Câmara «não tem estratégia para a Baixa-Chiado e por isso encomendam-na a seis atarefadas personalidades». Para além disso, na óptica do eleito do Bloco de Esquerda, todos os diagnósticos estão feitos e portanto podia-se começar a discutir medidas concretas em vez de estar à espera seis meses por um plano.Deste grupo de trabalho fazem parte o ex-ministro da Economia Augusto Mateus, com a competência do financiamento e sustentabilidade económica, o presidente do Instituto Português do Património Arquitectónico Elísio Summavielle, responsável por coordenar a área do património histórico e actividades culturais. O arquitecto Manuel Salgado terá competências no urbanismo, mobilidade e espaço público, Maria Celeste Hagatong, nas actividades económicas, o ex-deputado do PP Miguel Anacoreta Correia, na área executiva, e a investigadora e docente de História de Arte na Universidade Nova de Lisboa, Raquel Henriques da Silva.

1 comentário:

Biranta disse...

O meu total apoio a José Sá Fernandes...
Quanto custa, à edilidade, o comissariado?
De Maria José Nogueira Pinto, nada se pode esperar (a não ser coisas más) e este é um exemplo. A dita protagonizou um episódio triste, que denunciei no meu blog, aqui: http://sociocracia.blogspot.com/2004/10/as-novas-formas-de-inquisio-o-fascismo.html,
que ilustra bem a sua "vocação" anti-democrática.
Eu acho que só a democracia nos pode salvar; é a única coisa em que acredito. O "ramalhete" dos comissários também não surpreende... é uma "iniciativa" muito útil para os seus curriculos (odeio curriculos). Além disso, estamos a falar dum partido que, apesar da sua diminuta expressão eleitoral, se diz "do poder"... A gente ouve e não acredita! Do poder? Legitimado por quem? Pelos próprios que assim revelam o seu caracter nazi...
Mas foi aprovada a "iniciativa"... que dizer de todos os que aprovaram?
Talvez que se deve, urgentemente, valorar a abstenção... para se ter a noção exacta da ausência de representatividade destas decisões e de outras bem piores... Porque é que a gente tem de aturar esta escumalha que não elegemos? Já sei, porque os outros todos são iguais a eles e, como também não conseguem merecer o voto dos cidadãos, em vez de se assumirem e de "assumirem" a democracia, aliam-se aos seus "pares", aos outros políticos, sancionando os seus crimes e traindo a democracia e a generalidade dos eleitores...